Artigos? Envie para o email marcelopassossenador@gmail.com

Pesquisa Web

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Obra da Copasa deixará 1,6 milhão de pessoas sem água na Grande BH


Uma nova adutora será interligada ao sistema Rio Manso, que abastece parte da capital e da região metropolitana; presidente da Copasa reforçou que não há risco de racionamento de água no Estado

As obras de interligação de uma nova adutora ao sistema Rio Manso, que abastece vários bairros de Belo Horizonte e região metropolitana, vão deixar 1,6 milhão de pessoas sem água a partir da noite desta sexta-feira (31).

Em reunião realizada na tarde desta terça-feira (28), o presidente da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), Ricardo Simões, informou que a adição da nova adutora vai aumentar a capacidade de captação do sistema Rio Manso, que atualmente é de 4,2 m³/s, para 4,6 m³/s. A obra, segundo o presidente, foi antecipada em seis meses devido ao período de estiagem. Mesmo assim, Simões aproveitou a oportunidade para reforçar que está descartada a possibilidade de racionamento de água em Minas Gerais.

A interrupção no abastecimento começa na noite de sexta e vai afetar parte de Belo Horizonte, Betim, Contagem, Ibirité, Igarapé, Mário Campos, Pedro Leopoldo, Ribeirão das Neves, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, Sarzedo e Vespasiano. Segundo a Copasa, o fornecimento deve ser restabelecido gradativamente a partir de sábado (1º). Nas regiões mais altas, o prazo para normalização no abastecimento é segunda-feira (3).

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, participou da coletiva e disse que é importante que as pessoas se conscientizem da importância de economizar água. Na oportunidade, o prefeito disse que “nunca vamos conseguir prevenir 100% das inundações”, mas que a prefeitura está trabalhando em obras para prevenir os estragos causados pela chuva.

Veja os bairros terão o fornecimento de água interrompido:

REGIÃO NOROESTE – Caiçara, Caiçara Adelaide, Cabana, Califórnia, Conjunto Califórnia, Camargos, Coqueiros, Engenho Nogueira, Filadélfia, Glória, Jardim Montanhês, Monsenhor Messias, Padre Eustáquio, Pedro II, Patrocínio, Pindorama, São José e São Salvador.

REGIÃO NORTE – Bandeirantes, Braúnas, Castelo, Céu Azul, Enseada das Garças, Esplendor, Garças, Jardim Leblon, Jardim dos Comerciários, Mantiqueira, Nova York, Nova Pampulha, Ouro Preto, Paquetá, Santa Terezinha, Serrano, Trevo e Xangrilá;

REGIÃO SUDOESTE –  Araguaia, Antônio Teixeira Dias, Araguaia, Bairro das Indústrias, Barreiro de Baixo, Barreiro de Cima, Betânia, Brasil Industrial, Bonsucesso, Buritis, Cabana, Cardoso, Cinqüentenário, Conjunto Bonsucesso, Conjunto Betânia, Conjunto Habitacional Átila de Paiva, Conjunto Ademar Maldonado, Conjunto Getúlio Vargas, Conjunto João Paulo II, Conjunto Túnel de Ibirité, Cristo Redentor, Diamante, Durval de Barros, Estoril, Estrela Dalva, Estrela do Oriente, Flávio Marques Lisboa, Gameleira, Havaí, Ipiranga, Itaipu, Jatobá, Lindéia, Jardim América, Jardinópolis, Madre Gertrudes, Mansões, Marajó, Marilândia, Maringá, Milionários, Miramar, Morro das Pedras, Nosso Lar, Nova Barroca, Nova Cintra, Nova Gameleira, Olaria, Novo das Indústrias, Palmeiras, Parque São José, Pongelupe, Regina, Resplendor, Salgado Filho, Santa Cecília, Santa Cruz, Santa Helena, São Joaquim, Sical, Serra do José Vieira, Solar, Teixeira Dias, Tirol, Urucuia, Vila Conquista, Vila Cemig, Vila Leonina, Vila Magnesita, Vila Patrocínio, Vila Pinho, Vila Presidente Vargas, Vila Vânia, Vila Ventosa e Vista Alegre;


REGIÃO SUL – São Bento e Santa Lucia.


BETIM – Arquipélago Verde, Bandeirinhas, Campos Elíseos, Capelinha, Chácaras Reunidas Guaracyaba, Cruzeiro, Distrito Industrial Bandeirinhas, Duque de Caxias, Estâncias do Sereno, Guanabara, Icaivera, Industrial São Luiz, Jardim Piemonte, Petrovale, PTB, Santa Cruz, São Caetano, São Luiz, São Miguel, Vila Andorinha, Vila Cristina, Vila Kennedy, Vila Universal e Vila Verde.


CONTAGEM – Todo o município. 

EXCETO: Região de Nova Contagem - Colonial, Condomínio Nosso Rancho, Darci Ribeiro, Icaivera, Nova Contagem, Novo Retiro, Retiro, Tupã, Vila Estaleiro e Vila Renascer;

Região do Petrolândia – Beija Flor, Canadá, Campo Alto, Olhos D’água, Petrolândia, Quintas do Jacuba, Recreio dos Caiçaras, Santa Helena, São Caetano, São Miguel, Solar da Madeira, Tropical, Vila Belém e Vila Cristina.


IBIRITÉ – Bela Vista, Cascata, Colorado, Jardim das Rosas, José do Prado, Montreal, Mantiqueira, Ouro Negro, Palmares, Parque Durval de Barros, Petrolina, Piratininga, Serra Dourada, Sol Nascente, Vila Ideal e Washington Pires.


IGARAPÉ – Todo município.

MÁRIO CAMPOS – Todo município.

PEDRO LEOPOLDO – Todo o município, EXCETO os Bairros Fidalgo e Sumidouro.

RIBEIRÃO DAS NEVES – Todo o município.

SÃO JOAQUIM DE BICAS – Todo município.

SÃO JOSÉ DA LAPA – Todo o município.

SARZEDO – Todo município.

VESPASIANO – Bela Vista, Bom Sucesso, Célvia, Condomínio Mangueira, Jardim Encantado, Jardim da Glória, Jequitibá, Morro Alto, Morro do Cruzeiro, Morro Quaresma, Nova Iorque 4ª Sessão, Nova Pampulha, Novo Horizonte, Parque Jardim Maria José, Parque São Pedro, Pouso Alegre, Santa Maria, Santa Cruz, Vida Nova e Vila Esportiva.

Fonte: http://www.otempo.com.br/capa/economia/obra-da-copasa-deixar%C3%A1-1-6-milh%C3%A3o-de-pessoas-sem-%C3%A1gua-na-grande-bh-1.938911

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Morrer em BH ficou 18% mais caro em apenas um ano

Custos com funeral subiram quase três vez mais que inflação

Em um ano, “morrer” ficou 18% mais caro em Belo Horizonte. Os custos com funeral e enterro subiram quase três vezes a inflação do mesmo período, que acumula 7,02% na capital nos doze meses encerrados em setembro. “Tem preços para todos os bolsos, mas o consumidor precisa ficar atento para não ser explorado no momento de fragilidade”, afirma o diretor executivo do Mercado Mineiro, Feliciano Abreu.

A comparação dos preços praticados neste ano com os do ano passado leva em conta os valores médios do conjunto de serviços (sepultamento, túmulo, velório, coroa de flores, serviço funerário, que inclui urna, ornamentação, coroa de flores, transporte e preparação do corpo). Em 2013, essas despesas somavam, em média, R$17.309,89 e um ano depois subiram para R$20.481,23.

Como a contratação desses serviços é feita em um momento muito delicado, Abreu aconselha que a família peça ajuda a um outro parente ou amigo para fazer os orçamentos e contratações. “Uma dica é pedir ajuda de parentes na negociação, porque o lado emocional acaba falando mais alto”, diz Abreu.

Ele ressalta que o tipo e qualidade dos produtos influenciam muito nos preços. A inflação também não foi a mesma para cada produto ou serviço. Uma urna, por exemplo, pode custar de R$130 a R$28 mil, com uma variação de 21.438%. O valor médio subiu 91,65% em um ano, sendo a mais alta verificada no período pela pesquisa.

Sepultamento ou cremação. A família que já possui um túmulo no cemitério tem que desembolsar entre R$ 216,05 e R$ 272,04 para fazer o sepultamento. Caso contrário, a despesa sobe em até R$ 20 mil, que é o preço máximo do jazigo nos cemitérios da cidade. O valor mínimo do túmulo é de cerca de R$ 3.000.

Já para a cremação, o valor varia de R$ 4.500 a R$ 6.438, que são os preços cobrados pelos dois cemitérios que prestam esse tipo de serviço na capital. 

Preços de flores variam até 680%

Levar flores para homenagear os mortos queridos pode custar caro. A variação no preço dos crisântemos, por exemplo, chega a 680%, de acordo com a pesquisa do Mercado Mineiro. O valor vai de R$ 10 a R$ 78.

A variação em patamares altíssimos se repete nos outros tipos de flores, reforçando a necessidade de pesquisa para quem quer economizar. A menor diferença entre o preço mínimo e o máximo foi encontrada nos vasos de violeta. Ainda assim, a diferença chega a 350%.

Fonte: http://www.otempo.com.br/capa/economia/morrer-em-bh-ficou-18-mais-caro-em-apenas-um-ano-1.938670