Artigos? Envie para o email marcelopassossenador@gmail.com

Pesquisa Web

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

EEE Dona Dilma !!! Governo admite reajustar combustíveis


Disparada do preço do barril do petróleo no mercado internacional pressiona Petrobras e leva seu maior acionista, a União, a cogitar a autorização de aumento na gasolina. Defasagem já atinge 25% do valor cobrado nos postos

O consumidor pode preparar o bolso para um novo aumento na gasolina. Com o petróleo em ritmo de alta, acima de US$ 120 o barril, o governo já admite que não conseguirá barrar o reajuste. O preço do combustível no país não acompanha, em tempo real, a alta do mercado externo e a Petrobras está impedida de repassá-lo automaticamente, a não ser que tenha autorização de seu maior acionista, a União. E, por isso, a companhia voltou a bater na mesma tecla nesta semana. Conforme cálculos feitos por economistas a pedido do Correio, a defasagem na gasolina oscila entre 20% e 25%.

Mal assumiu o cargo, a nova presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, levantou a bandeira para que o reajuste dos combustíveis seja obrigatório quando o barril do petróleo ultrapassar os US$ 100. A unidade do petróleo leve (WTI), negociado na Bolsa de Nova York, fechou ontem cotada a US$ 106,55. Já o do tipo Brent, mais pesado e negociado em Londres, encerrou o dia a US$ 121,80.

A resistência do governo, no entanto, é quanto ao impacto desse aumento na inflação, que fechou 2011 em 6,5%, no teto da meta estipulada para o ano. A estratégia de redução da taxa básica de juros (Selic), hoje em 10,5%, pode ser comprometida se a inflação ultrapassar o limite em 2012. Os combustíveis estão entre os itens que mais pesam no cálculo dos índices de preços. “Qualquer alta na gasolina impacta diretamente na inflação”, afirmou o especialista em energia e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), Adriano Pires. Ele estima que a defasagem do preço da gasolina nos postos gire entre 20% a 23%.

Mas é difícil encontrar entre os economistas quem aposte numa possível mudança na política de afrouxamento monetário por conta da pressão dos combustíveis. “Não acredito que o Banco Central interrompa os cortes nos juros neste semestre, mesmo se os preços da gasolina subirem”, observou o professor de economia da Universidade de Brasília José Luis Oreiro. Nos seus cálculos, a diferença de preço atual e o que deveria ser praticado está entre 20% e 25%.

O último reajuste realizado pela Petrobras ocorreu em novembro de 2011 e só incidiu sobre o combustível que sai da refinaria. O aumento foi de 10% na gasolina e de 2% no óleo diesel. Mas, segundo a estatal, o impacto dele foi absorvido pelos distribuidores em função da redução da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (Cide).

O aumento da gasolina deverá voltar à discussão na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, na semana que vem. Anteontem, a diretoria da instituição foi alertada de que há poucos instrumentos para o governo evitar o aumento. Para o professor do Grupo de Economia da Energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Edmar de Almeida, o governo está ficando acuado e, mais cedo ou mais tarde, será obrigado a reajustar os combustíveis. “Os preços aqui já estão abaixo do mercado internacional. A Petrobras não tem muita margem de manobra e precisa se manter bem para continuar fazendo investimentos”, observou.

Oriente
Em nota, a Petrobras informou que não há cronograma para reajustes na gasolina. “A Companhia acompanha constantemente a variação do preço internacional do petróleo, que flutua de acordo com diversas variáveis. Essas questões são circunstanciais e não determinam um novo patamar nos preços praticados internacionalmente”, divulgou a empresa. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, negou que o governo tenha a intenção de reajustar o preço da gasolina.

O petróleo tem oscilado fortemente graças ao aumento da tensão no Oriente Médio devido à ameaça de Israel bombardear o Irã, terceiro maior produtor mundial de petróleo. Também contribuíram para a alta as sanções comerciais previstas para junho. Os mais pessimistas, como o economista Nouriel Roubini, já projetam o barril a US$ 150. Mas Oreiro não vê razões para o preço ficar acima dos US$ 100. “O mercado está especulando muito. A economia internacional está em crise e, portanto, não há demanda reprimida”, disse. Para ele, o pior cenário virá apenas a guerra contra o Irã estourar.

Absolvição na CVM
Por falta de precedente, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) absolveu o diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, e seus antecessores José Sergio Gabrielli e João Pinheiro Nogueira Batista. Os executivos eram acusados de investir, sem autorização, recursos da estatal no mercado futuro de dólar e de ingerência direta na gestão de fundos da carteira BB Milênio 6, da qual a companhia era a cotista única.

QUE COISA!!!! Deputado do PT, Rogério Correia contratou advogada de lobista da Lista de Furnas



Deputado petista acusado de ter encomendado a Lista de Furnas usou R$ 19,4 mil da verba indenizatória para pagar consultoria de mulher que defendeu o lobista Nilton Monteiro

O deputado Rogério Correia (PT) pagou com verba indenizatória da Assembleia Legislativa R$ 19.450 por consultoria à advogada Carla de Moraes Firmino Santos, que aparece como uma dos responsáveis pela defesa do lobista Nilton Monteiro – suspeito de ser o falsificador da chamada Lista de Furnas – em outro processo por adulteração de documentos. O valor foi repassado em quatro parcelas ao longo de 2011: abril (R$ 4.450), junho (R$ 5 mil), julho (R$ 5 mil) e agosto (R$ 5 mil).

Nilton foi preso em 20 de outubro do ano passado e libertado na semana passada. A Lista de Furnas reuniria nomes de 12 partidos (PDT, PFL, PL, PMDB, PP, PPS, Prona, PRTB, PSB, PSC, PSDB e PTB) que teriam recebido recursos para gastar na campanha de 2002. No total, R$ 39,6 milhões teriam saído da estatal para despesas dos candidatos. A lista foi divulgada em outubro de 2005.

O processo em que Carla de Moraes aparece como advogada de Nilton Monteiro é por falsificação de contrato, no valor de R$ 150 mil, fechado com o advogado Joaquim Engler Filho no início dos anos 2000 em ação contra o estado do Espírito Santo por recolhimento de tributos. “Nilton colocou um aditivo no contrato afirmando que tinha quitado a dívida que tem comigo”, diz Engler. O processo corre na 11ª Vara Criminal do Fórum Lafayette.

O deputado Rogério Correia afirmou não ter conhecimento dos serviços prestados por Carla de Moraes a Nilton Monteiro. A reportagem não conseguiu contato com a advogada. O parlamentar disse ter conversado com ela na tarde de ontem, depois de falar com o Estado de Minas. A ex-prestadora de serviços do deputado teria dito que nunca atuou em petição para Nilton, e que só aparece como responsável pela defesa do suspeito de forjar a Lista de Furnas por trabalhar no mesmo escritório que William Santos, advogado do PT, que também aparece na defesa do lobista na ação que corre na 11ª Vara Criminal. O parlamentar disse ainda que contratou Carla por ser filha de um ex-funcionário.

No domingo, o Estado de Minas publicou reportagem mostrando que 43 deputados estaduais mineiros gastaram ao longo de 2011 R$ 1.422.913,47 da verba indenizatória com a contratação de consultoria jurídica parlamentar. Desses, 23 contrataram os mesmos advogados que também os defendem em ações cíveis, criminais e eleitorais, sem qualquer relação com o mandato.

O dinheiro deixou os cofres públicos por “consultoria, assessoria e pesquisa”, um dos itens previstos para uso da verba indenizatória de R$ 20 mil a que os parlamentares têm direito todos os meses. A justificativa é sempre a mesma: orientação jurídica na elaboração de projetos de lei e pareceres técnicos para as comissões temáticas. O gasto é registrado quase mensalmente, mesmo com os deputados tendo à disposição 85 consultores pagos pela Assembleia para assessoria jurídica.

Na rua

Nilton Monteiro ficou pouco mais de quatro meses preso. De acordo com informações da Polícia Civil, o lobista foi solto na semana passada. Ele esteve encarcerado na Penitenciária Dutra Ladeira, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A principal acusação que levou à prisão de Nilton foi a falsificação de assinaturas em títulos de crédito, para cobrar diversos políticos e empresários, que somados passam de R$ 300 milhões.

...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Cruzeiro homenageará Montillo e Carazo


...
O meia argentino Walter Montillo ultrapassou, no último sábado, a marca de maior artilheiro estrangeiro com a camisa do Cruzeiro, com 30 gols. Até então, esse posto pertencia ao colombiano Aristizábal, que anotou 28 tentos. No próximo sábado, antes da partida contra o América-TO, na Arena do Jacaré, Montillo será homenageado pela diretoria celeste.

A homenagem será extensiva à família do ex-jogador Carazo, que jogou no então Palestra Itália entre 1928 e 1942 e marcou 44 gols. Carazo nasceu na Espanha e sua família migrou-se para o Brasil quando ele tinha apenas 3 anos. Toda sua carreira futebolística foi em terras brasileiras.

O terceiro artilheiro estrangeiro da história do Cruzeiro é o uruguaio Revétria, com 22 gols. Marcelo Moreno, boliviano (de dupla nacionalidade), marcou 21 gols, enquanto o argentino Sorín anotou 18.

Nesta terça-feira, Montillo prometeu fazer o possível para ampliar sua contagem de gols com a camisa celeste. "Sempre fazer gols é muito bom. Quero continuar fazendo gols, para que o próximo estrangeiro tenha dificuldade de tirar isso. Quero continuar fazendo gols para ajudar o time", disse o meia, que comemorou o recorde junto à família e amigos.

"Todos ficam contentes, mais amigos e família. Na imprensa, não saiu na disso por lá (Argentina). Sou um desconhecido lá. Para a família, ficamos muito contentes. Não é uma coisa que acontece sempre. Ser o maior artilheiro estrangeiro do Cruzeiro, eu fico muito feliz, porque a contratação do Cruzeiro foi para eu fazer o melhor dentro do campo. Estou trabalhando bem, fora do campo também, e quero continuar melhorando", acrescentou.
...

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Monólogo - Artigo do senador Aécio Neves para Folha de S. Paulo


...

O governo da presidente Dilma encena um monólogo a dois no qual uma das partes -o governo- fala e determina, e a outra -o Congresso- cala e obedece.

O corte no Orçamento, de R$ 55 bilhões, que extirpou todas as emendas parlamentares, reforçou o traço autoritário existente na relação entre os dois Poderes, sinalizando a manutenção de uma política baseada na barganha.

Conhecemos esse filme: cortam-se todas as emendas para que possam ser liberadas em conta-gotas a alguns escolhidos ou em épocas de votações de interesse do governo.

Se há que condenar os casos em que as emendas servem a interesses escusos e em que existem as que são destinadas a investimentos supérfluos, não tem como desconsiderar que, quando corretas, são instrumentos importantes. Representam, muitas vezes, a única chance de centenas de municípios brasileiros terem necessidades atendidas, pois nem sempre os investimentos do Executivo pautam-se por critérios republicanos.

O ano passado já havia sido marcado por demonstrações de autoritarismo do Executivo sobre o Legislativo. A decisão do governo de retirar do Legislativo a prerrogativa de fixar o valor do salário mínimo -sem entrar no mérito ou na legalidade da iniciativa, mas me atendo ao seu sentido político- foi um marco triste na história do Congresso.

É possível imaginar qual teria sido a posição do PT se a mesma iniciativa tivesse partido de um governo do PSDB.

O mesmo aconteceu com a PEC 11, que cria novo rito de tramitação para as MPs editadas pelo Executivo e reconstitui parte do papel constitucional do Legislativo no exame das medidas. Aprovada no Senado por meio de acordo, a base governista acabou repreendida pelo Palácio do Planalto em função do apoio dado ao que é consenso na Casa. Não por acaso, a PEC adormece, desde agosto, no esquecimento da Câmara dos Deputados.

Blindada pela muralha das alianças de conveniência, o governo ignora o Congresso como instituição e apequena a relação entre os Poderes. Sou um dos que se perguntam até quando os próprios aliados resistirão em silêncio ao desrespeito continuado.

Nesse momento, em que o Legislativo prepara-se para discutir temas importantes como o pré-sal, os royalties sobre minérios e o Código Florestal, não interessa à sociedade que tal debate ocorra em um Congresso fragilizado. São temas que pertencem à agenda do futuro dos brasileiros e não podem estar submetidos aos interesses imediatos ou à conveniência de um governo, qualquer que seja ele.

Só um Congresso em pleno exercício das suas prerrogativas pode garantir ao país as salvaguardas necessárias para que prevaleça o interesse nacional.

...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Unidos da Tijuca é a campeã do Carnaval 2012 do Rio


...

A Grande Campeã do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro foi a escola Unidos da Tijuca, que este ano levou a música e a alegria de Luiz Gonzaga para o desfile na Sapucaí. Isolada na frente a Tijuca comemorou a vitória que teve entre as principais adversárias a Salgueiro, que também desfilou com tema ligado ao nordeste e cantou a literatura de cordel. A Tijuca teve 299,9 pontos nos 10 quesitos disputados.

Foram rebaixadas as escolas Porto da Pedra e Renascer que no ano que vem irão desfilar no Grupo de Acesso do carnaval carioca.

O samba enredo apresentado foi o Rei do Baião - Luiz Gonzaga

A minha emoção vai te convidar
Canta Tijuca vem comemorar
"Inté Asa Branca" encontra o pavão
Pra coroar o "Rei do Baião"

Nessa viagem arretada
Lua clareia a inspiração
Vejo a realeza encantada
Com as belezas do sertão!
"Chuva, sol" meu olhar
Brilhou em terra distante
Ai que visão deslumbrante, se avexe não!
Muié rendá é rendeira
E no tempero da feira
O barro, o mestre, a criação!

Mandacaru a flor do serrado
Tem "xote menina" nesse arrasta pé
Oh! Meu padim, santo abençoado
É promessa eu pago, me guia na fé

Em cada estação, a "triste partida"
Eu vi no cangaço vida severina
Á margem do Chico espantei o mal
Bordando o folclore raiz cultural...
Simbora que a noite já vem,
"Saudades do meu São João"
"Respeita Véio Januário, seus oito baixo tinhoso que só"
"Numa serenata" feliz vou cantar
No meu pé de serra festejo ao luar...
Tijuca a luz do arauto anuncia
Na carruagem da folia, hoje tem coroação!

...

Em dois meses, BH já registrou quase 60 casos da dengue


...

Em dois meses, Belo Horizonte já registrou mais de 1,2 mil notificações de casos suspeitos da dengue. Destes, 57 casos foram confirmados, 570 foram descartados e outros 633 ainda aguardam resultados de exames. A região que apresenta o maior número de casos é a do Barreiro com 10 confirmações. A Região Nordeste vem em seguida com oito casos.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) em parceria com a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) realizam um mutirão na próxima segunda-feira próximo ao Centro de Saúde Felicidade II, na Região Norte de BH. Na quarta-feira, é a vez do Barreiro receber as ações.

Alerta

Os dados do Levantamento Rápido de Índices de Infestação para Aedes aegypti (LirAa) preocupam as autoridades mineiras. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), dos 74 municípios que realizaram o estudo, 30 apresentaram alto índice de infestação (acima de 3,9%), 42 apresentaram médio risco (LirAa entre 1,0% e 3,9%) e duas cidades tiveram baixo risco.

...

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Justiça!! Lindemberg é condenado a 98 anos por morte de Eloá


...

Após quatro dias de julgamento, Lindemberg Alves Fernandes, acusado de matar a ex-namorada Eloá Pimentel, em outubro de 2008, após mantê-la refém por mais de 100 horas, em Santo André, foi condenado a 98 anos e 10 meses de prisão em regime inicialmente fechado. Além disso, ele terá de pagar 1.320 dias-multa. Se não houver o pagamento, a pena total será de 102 anos, cinco meses e 25 dias de prisão.

A decisão foi tomada por um júri formado por seis homens e uma mulher que consideraram o réu culpado pelos 12 crimes pelos quais foi julgado. Por volta das 19h40 desta quinta-feira, a juíza Milena Dias proferiu a sentença.

Lindemberg foi condenado por homicídio qualificado por motivo torpe pela morte de Eloá, duas tentativas de homicídio (contra Nayara Rodrigues e o sargento Atos Valeriano), cinco ocorrências de cárcere privado (contra Eloá, Vitor Lopes, Iago Oliveira e duas vezes contra Nayara) e quatro disparos de arma de fogo. O réu não poderá recorrer em liberdade.

"Além de eliminar a vida de uma jovem de 15 anos e quase matar Nayara e o bravo policial Atos Valeriano, causou enorme transtorno para a sociedade e para o Estado", disse a juíza, que ressaltou a frieza, orgulho e egoísmo do réu, além da premeditação do crime.

Em coletiva de imprensa, a mãe de Eloá, Ana Cristina Pimentel, agradeceu à população, à juíza, à promotora, aos advogados da família Pimentel e da Nayara, aos assistentes de acusação e a Deus. "Nada vai diminuir a minha dor, mas a justiça vai ser feita."

A mãe de Nayara também se pronunciou. "Não sou eu que tenho que perdoa-lo, É Deus."

Julgamento
O ponto marcante das cerca de 50 horas de julgamento foi o depoimento do réu que falou pela primeira vez sobre o crime. Ele confessou que atirou em Eloá e pediu desculpas para a mãe da vítima, Ana Cristina Pimentel. "Quero pedir perdão para a mãe dela (Eloá) em público, pois eu entendo a sua dor."

A defesa de Lindemberg também chamou a atenção desde o início do júri. Ana Lúcia Assad ameaçou abandonar o plenário por diversas vezes e durante uma discussão com a juíza chegou a colocar em dúvida sua credibilidade. "A senhora deve voltar a estudar."

No total, cinco testemunhas de acusação foram ouvidas: os amigos da vítima, Nayara Rodrigues, Iago Vilela de Oliveira e Victor Lopes; Atos Antônio Valeriano, sargento da PM (Polícia Militar), e Ronickson Pimentel dos Santos, irmão mais velho de Eloá.

Também falaram ao Tribunal sete testemunhas de defesa: Marcos Cabello, ex-advogado de Lindemberg; Rodrigo Hidalgo e Márcio Campos, jornalistas da TV Bandeirantes; Dairse Aparecida Pereira Lopes e Hélio Rodrigues, peritos criminais; Sérgio Luditza, delegado que registrou o caso; Adriano Giovanini, negociador do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) e Paulo Sérgio Squiavano, tenente da PM.

Everton Douglas Pimentel, irmão caçula de Eloá, depôs como testemunha de juízo.

...

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Prefeito de Sabará é sequestrado Prefeito de Sabará é sequestrado


...

O prefeito de Sabará, William Lúcio Goddard Borges (PV), foi sequestrado na manhã desta quarta-feira. De acordo com a Polícia Militar (PM), o motorista dele acionou a corporação porque desconfiou do sumiço de Borges.

Tudo indica que ele tenha sido levado em um veículo Polo preto, mas ainda há poucas informações sobre o crime.

Equipes da PM e Polícia Civil ficaram mobilizadas neste caso.

...

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Redução da pobreza em Minas é mais intensa que a média brasileira, diz Ipea


...

Publicado no Estado de Minas em 13-02-2012

Minas Gerais vem reduzindo os índices de pobreza e desigualdade em ritmo maior do que outros estados do Sudeste e do que a média brasileira. No entanto, possui apenas 9,3% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e 10,3% da população. Os dados foram comentados pelo presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, nesta segunda-feira, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O estudo do Ipea mostra a evolução de 34 indicadores entre 2001 e 2009, nas áreas de demografia, previdência social, pobreza e desigualdade, saúde, seguridade, trabalho e renda, educação, cultura, saneamento e habitação. É possível comparar dados dos estados com as médias regional e nacional e descobrir, por exemplo, como está a evolução de Minas Gerais em relação à renda domiciliar per capita, ao combate à mortalidade infantil, às taxas de homicídio e à remuneração do trabalho.

De acordo com Pochmann, Minas apresenta a 9ª maior renda domiciliar do país e a 8ª menor taxa de pobreza extrema entre os Estados. Tecnicamente, considera-se em extrema pobreza os que tinham renda per capita inferior a R$ 67,07 ao mês, em setembro de 2009. Para anos anteriores, o valor é deflacionado segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Em 2001, 9% da população mineira estava nessa situação, índice reduzido para 3% em 2009. É uma queda bem superior à do Sudeste (que caiu de 5,6% para 2,3%) e à do Brasil (queda de 10,5% para 5,2%).


Transferência de renda

Na última década, a redução dos índices de pobreza e a melhora dos indicadores sociais ocorreram em todos os Estados, especialmente no meio rural. Para Pochmann, a ampliação dos investimentos sociais e dos programas de transferência de renda explicam, em grande parte, esse quadro. Esses investimentos se transformaram em estímulo ao crescimento econômico, em uma política que inverteu uma máxima do ex-ministro Delfim Neto, de que era necessário primeiro fazer crescer o bolo para depois dividi-lo. Agora, a distribuição vem antes e é condição para o crescimento. “É um novo modelo econômico implantado a partir de 2004. A distribuição é fermento da ampliação do mercado interno”, afirmou o presidente do Ipea.

...

Marcio Lacerda diz que prefeitura teve bom desempenho no período de chuvoso

...
Apesar das duras críticas ao governo municipal durante o período chuvoso, o prefeito Marcio Lacerda disse em entrevista à Rádio BandNews nesta terça (14) que a prefeitura teve bom desempenho nesse verão. Ele afirma que, exceto por uma viagem a Brasília, esteve na capital mineira durante esses meses e acompanhou de perto as ações das autoridades. O prefeito ainda salientou que todas as vítimas de enchentes e deslizamentos foram atendidas.

Marcio Lacerda afirmou que os planos da prefeitura para melhorar a mobilidade urbana também estão encaminhados. Até a Copa do Mundo de 2014, a ampliação do metrô e da linha rápida de ônibus (Bus Rapid Transit, na sigla em inglês) vão beneficiar mais de um milhão de usuários. Segundo o governo municipal, os ônibus de Belo Horizonte atendem a 1,6 milhão de passageiros todos os dias.

Ainda no trânsito, Lacerda afirmou que deve ser aberto edital para a licitação de 500 novos táxis. Em parceria com o Ministério Público, a prefeitura analisa as concessões já existentes para melhorar o serviço na capital.

Quanto às eleições, o prefeito afirmou que é natural que a presidente Dilma Rousseff não suba ao palanque para apoiá-lo ao longo da campanha. Segundo ele, esse é o procedimento esperado no caso de uma disputa como a de Belo Horizonte, onde dois partidos da base aliada do governo federal se enfrentam nas urnas. O anúncio de que Dilma não se envolveria no pleito de BH foi feito nesta semana pelo presidente nacional do partido, Rui Falcão. Para barrar o plano de Marcio Lacerda de continuar à frente da capital, o PMDB deve lançar novamente um candidato. O prefeito integra o quadro do PSB, outro dos principais aliados do PT no cenário nacional.

Lacerda ainda esclareceu que o conteúdo programático de sua administração é herdeiro dos governos petistas. Os principais programas do Executivo Municipal, como o Vila Viva, mantêm os mesmos nomes e diretrizes desde os mandatos anteriores. Antes de Marcio Lacerda, os três últimos prefeitos belorizontinos – Fernando Pimentel, Célio de Castro e Patrus Ananias – foram do PT.

...


Lei Maria da Penha, será que agora vai????


Lei Maria da Penha, mais do que justo essa lei, pois a mulher é mais forte do que o homem em
vários sentidos, mas infelizmente perde para a mais covarde ação do homem, a brutalidade, pena
que as mulheres continuam desprotegidas, pois do que adianta ter a punição se o agressor
continua livre para agir, e não adianta o juiz pedir para que o agressor mantenha a distância, pois nossas leis faltam vestir nariz de palhaço. Homem que agride mulher é macho suficiente para ficar numa cela com outros homens e desfiar todos no braço.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

O PT e as privatizações - Artigo de Aécio Neves na Folha de S. Paulo


...

Toda mudança para melhor deve ser saudada. Por isso, devemos reconhecer como positiva, ainda que com o atraso de uma década, a privatização dos aeroportos.

Porém, uma pergunta é inevitável: por que, afinal, esperamos tanto? O governo, por inércia, permitiu que se instalasse o caos nos aeroportos e só reagiu diante da aproximação da Copa, alimentando a ideia de que só age sob pressão e tem na improvisação uma de suas marcas.

Talvez isso explique terem privatizado sem exigir garantias mínimas compatíveis com operações desse porte. Pouco parece importar se há entre os vencedores crônicos inadimplentes em outros mercados ou mesmo quem não tivesse condições de conseguir financiamento junto ao mesmo BNDES, em operação de muito menor porte.

Privatizaram fingindo não privatizar e ignoraram a oportunidade de buscar contrapartidas óbvias que pudessem garantir, em um mesmo lote, a modernização de aeroportos mais e menos rentáveis. Prevaleceu a lógica do maior ágio e do interesse comercial dos grupos privados em detrimento das populações de regiões onde os investimentos serão menos atrativos.

Por tudo isso, é desleal o ataque histriônico do PT às privatizações do governo FHC. Desleal porque em nenhum momento o programa de concessões ou privatizações foi interrompido. São as leis brasileiras que obrigam o uso de concessões em determinados serviços e não a ideologia petista, como tentam fazer crer, em risível contorcionismo verbal, alguns líderes do partido.

No governo FHC também foram feitas concessões como na área de energia elétrica. Da mesma forma que nos aeroportos, ao final do prazo de outorga os ativos retornarão à União. Aliás, é exatamente o que se discute agora -a renovação ou não de outorgas concedidas naquele período.

O episódio da privatização dos aeroportos, no qual serão usados recursos públicos do BNDES e dos fundos de pensão, prática demonizada pelo PT, que neles via um mero instrumento de financiamento do lucro privado, traz à tona uma outra indagação cada vez mais comum entre os brasileiros: afinal, o que pensa e qual é o PT de verdade? O do discurso ou o da realidade? O que lutou contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Proer e o Plano Real ou o que os elogia hoje?

O PT dos paladinos da ética ou o do recorde de ministros derrubados por desvios? O que ataca as privatizações ou o que as realiza? O que, na oposição, defende de forma indiscriminada todo tipo de greve ou o que, no governo, reage a elas?

No mais, vale registrar: a insistência do PT em comparar modelos de privatização é bem vinda. Até porque não deixa de ser divertido ouvir o PT discutir quem privatiza melhor.

...

Arquivo do blog